Cidade também terá mais 23 leitos de retaguarda em hospitais municipais e articula aumento de leitos clínicos na rede privada
 

Para suprir a demanda por internações de pacientes com Covid-19, que subiu nos últimos dias, a Prefeitura de Petrópolis vem trabalhando para ampliar leitos clínicos e de UTI em unidades próprias, assim como os pactuados junto à rede privada. Nesta quinta-feira (18), o prefeito interino Hingo Hammes confirmou a liberação de 12 leitos de UTI no Hospital Nossa Senhora Aparecida (HNSA) – três já estão em funcionamento e outros nove, que estavam bloqueados até agora, aguardando montagem de equipes, serão liberados nesta sexta. Além disso, o município está reestruturando o atendimento em unidades próprias para a abertura de 23 leitos de retaguarda (temporários), entre clínicos e UTIs. No Hospital Municipal Nelson de Sá Earp, oito leitos clínicos foram abertos no domingo para atender pacientes com covid-19.

 

Haverá mudanças também no Hospital Alcides Carneiro: em uma ala separada no Posto de Urgência (PU) serão disponibilizados quatro leitos clínicos e quatro de unidades avançadas (equivalentes a UTIs), também para receber pacientes com covid-19. A estrutura de UTI para atendimento de pacientes com covid na unidade de saúde também terá a capacidade duplicada até o fim da semana que vem.

 

“Estamos trabalhando muito para dar fôlego à rede de saúde para que possamos atender esta demanda maior, garantindo a ampliação de leitos para atender a população. Todos os esforços estão sendo feitos para reforçar a rede de saúde, mas é necessário que a população também ajude, mantendo os cuidados preventivos”, afirmou o prefeito interino Hingo Hammes.

 

Reorganização no HAC

 

A Secretaria de Saúde está estruturando a ampliação dos leitos na UTI Covid do Alcides Carneiro. A previsão é de que até o fim da próxima os leitos de UTI Covid na unidade sejam ampliados dos sete atuais para 14. As estruturas estão sendo redimensionadas para desafogar a rede de saúde.

 

“Todos os esforços têm sido feitos tanto na rede pública quanto junto às unidades privadas para ampliarmos os leitos para suprir a demanda por atendimentos a pacientes com covid-19. Mas nada disso irá adiantar se as pessoas não respeitarem as regras e colaborarem. Faço um apelo para que as pessoas usem máscara, saiam de casa somente em caso de necessidade e sobretudo para que evitem as aglomerações”, frisa o secretário de Saúde Aloisio Barbosa da Silva Filho.

 

O município também vem articulando junto a unidades de saúde da rede privada a contratação de mais leitos. Além da liberação de mais leitos no HNSA (com os 12 novos leitos que estão sendo abertos no hospital a unidade passa a operar com 48 leitos), o município poderá, ainda, contar com reforço nos leitos clínicos: o Hospital Santa Mônica aguarda apenas a liberação da Vigilância Sanitária Estadual, o que deve acontecer ainda nesta sexta-feira. A unidade dispõe de 51 leitos clínicos, que serão somados à rede de saúde à disposição do município.

 

“São leitos clínicos que poderão atender pacientes com Covid ou serem direcionados para a internação de pacientes com outras doenças, dependendo da demanda. O prefeito e a Secretaria de Saúde estão empenhados e adotando todas as medidas para ampliar a rede e viabilizar o atendimento”, afirma o secretário de Saúde.

 

Gestantes passam a ter entrada exclusiva no HAC 

 

No Hospital Alcides Carneiro algumas alterações estão sendo feitas para reforçar os protocolos sanitários para prevenção a disseminação do novo coronavírus.  A partir de agora, gestantes que precisam de atendimento de emergência, e antes davam entrada pela emergência geral do hospital, passam a ter entrada exclusiva pelo prédio principal do HAC- de forma separada dos demais pacientes que buscam a emergência. As gestantes passam a ser recebidas em uma sala de admissão antes de serem encaminhadas para atendimento.

 

Protocolos de entrada e visita a pacientes no hospital também estão sendo alterados, com medição de temperatura de todos que precisem entrar na unidade. Como medida de segurança, as visitas passam a ser restritas a uma única pessoa por paciente, e devem ser feitas exclusivamente no horário de conversa com o médico.

 

Nos casos de pacientes que têm direito a presença de acompanhante, os eventuais revezamentos devem ser feitos somente a cada 24 horas. Também por medida de segurança, a presença dos acompanhantes fica restrita ao quarto onde o paciente está internado, onde serão servidas inclusive as refeições. O refeitório do hospital passa a ser de uso exclusivo dos funcionários.

 

No caso de pacientes com covid-19 as informações aos parentes continuam sendo passadas diariamente por telefone.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem