Foto ilustrativa

 

4,9º C em Petrópolis!

Monitoramento considerada a menor temperatura do ano



O inverno pode trazer consigo a ocorrência de alguns fenômenos naturais que apesar de comuns, acabam impactando de certa forma áreas de plantio e vegetação. Além da queda brusca de temperatura, geadas e chuvas de granizo, podem trazer problemas para produtores rurais ou para quem cultiva espécies em geral. Em Petrópolis, a estação de monitoramento da Defesa Civil no Centro registrou 4,9º C por volta das 06h deste sábado (31), considerada a menor temperatura do  ano.


Localidades como o brejal, onde há grande produção de hortaliças e orgânicos, tem registrado constantemente geadas. Os fenômenos têm sido provocados por uma massa de ar frio, que vem impactando o clima no município, com umidade relativa do ar entre 50 e 95% e dias gelados ao longo da última semana.  ano.


Foto ilustrativa



Segundo a Engenheira Agrônoma Carolina Rodrigues, as plantas sofrem neste período de frio, estresses abióticos, que são provocados por seres não vivos, mas se caracterizam como um verdadeiro desafio. Dentre eles estão o frio, o calor, o vento, inundações, o choque térmico, dentre outros.



“As hortaliças, que são algumas das principais espécies cultivadas na Região Serrana, sofrem muito com as geadas e diante disso, ocorrem grandes prejuízos aos agricultores. Elas são culturas mais delicadas e nestes casos, temperaturas nas folhas entre -3ºC e -4º C acabam causando a morte dessas plantas. São lavouras inteiras que acabam ficando congeladas, tem folhas queimadas pelo gelo e acabam tendo que ser descartadas”, explica.



A geada ocorre devido à queda de temperatura abaixo do nível de dano da cultura. No Paraná, sempre está associada com a passagem de massas polares de grande intensidade, que se deslocam preferencialmente de Sudoeste para Nordeste. Quando há queda intensa de temperatura provocada pela massa de ar polar, em ausência de nuvens e baixa umidade do ar, o resfriamento noturno é intenso, podendo atingir o nível de dano de muitas espécies vegetais.



Do ponto de vista meteorológico acontece quando a temperatura atinge 0º C sobre as superfícies expostas. Após o congelamento do orvalho e com a continuação da queda da temperatura, o vapor d'água do ar em contato com a superfície fria passa diretamente para o estado sólido, se depositando sobre as superfícies e conferindo um aspecto esbranquiçado sobre a paisagem.



Em diversos locais do país, casos de lavouras destruídas pelo impacto da baixa climática ocorreram nos últimos dias, trazendo o desespero para famílias que se sustentam da produção de legumes, verduras e hortaliças. No caso de Petrópolis, que recebe o título de capital estadual dos orgânicos, a especialista sugere que algumas coberturas de proteção sejam instaladas ao redor das plantações.



“Nesses casos a geada é um fator muito difícil para a planta pois as vezes não tem o que se fazer para ajudar. Em grandes plantações, como soja e café, fica difícil e inviável fazer cobertura de proteção. Para a agricultura, o conceito de geada está relacionado com danos e em episódios como esses, podem ocorrer ventos frios, que são equilibrados com quebra ventos, que é o plantio de espécies arbóreas ao entorno das lavouras para diminuir o impacto”, pontua a Engenheira Agrônoma.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem