Dra. Ana Luiza Aleixo (Foto: divulgação)


Doença atinge cerca de 18 milhões de Brasileiros



Um tratamento inovador para auxiliar no tratamento do olho seco chegou à Região Serrana. Considerado uma espécie de “spa” para quem sofre do problema, o chamado iLUX tem ação direta sobre as pálpebras, melhorando o olho seco por agir nas glândulas atingidas por entupimento e inflamação.



O tratamento tem a duração de 8 a 12 minutos e apresenta resultados imediatos após a realização. O protocolo é personalizado e adequado para cada paciente, com visualização direta das glândulas que são atingidas pela doença, ao longo do procedimento.



“Esse equipamento é uma grande arma no arsenal de tratamento para o olho seco. O iLux ajuda a muito a amenizar os sintomas. Como se trata de uma condição crônica, é necessário manter o acompanhamento com o oftalmologista, que poderá propor outras medidas adicionais para controlar a doença.”, explica a oftalmologista Ana Luísa Aleixo, responsável pela Oftalmo Clinica de Petrópolis e doutora em infecções pela Fundação Oswaldo Cruz.



Mais comum do que aparenta ser, a síndrome do olho seco é um problema que atinge cerca de 337 milhões de pessoas no mundo e 18 milhões só no Brasil, segundo os dados da Associação dos Portadores do Olho Seco.


iLux (Foto: divulgação)

“O problema tem várias causas e uma das mais comuns é a Disfunção de Glândulas de Meibomio ou blefarite posterior, que é uma inflamação na borda das pálpebras. Essa inflamação palpebral altera a qualidade da lágrima e gera sintomas de olho seco como vermelhidão, ardência, fotofobia, sensação de areia nos olhos e embaçamento da visão”, detalha Ana Luísa Aleixo.

  

A doença tem relação direta com a lágrima. “A lágrima é composta basicamente de muco, água e gordura, a camada de gordura tem a função de diminuir a evaporação. Se houver alguma alteração dessa camada lipídica a evaporação da lágrima ocorre mais rápido do que deveria, surgindo os sintomas de olho seco. As glândulas responsáveis por essa produção de gordura ficam na borda das pálpebras e quando estão inflamadas ou entupidas prejudicam muito a estabilidade da lágrima”, pontua Ana Luísa.



Hoje há opções de tratamento para olho seco que vão além do uso de colírios lubrificantes. Os sintomas de ressecamento ocular podem ser tão intensos que impactam a qualidade de vida e a execução de várias tarefas do dia a dia. O diagnóstico permite a escolha do tratamento mais adequado para cada paciente e é feito principalmente através do exame oftalmológico com microscópio clínico, testes de quantidade e estabilidade da lágrima como ‘Schirmer’, ‘Break up time’ e ‘Meibografia’.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem