Com 184 ocorrências por conta da chuva, a Prefeitura mantém o efetivo de toda a sua estrutura para garantir uma resposta rápida às chuvas. Desde a última sexta-feira (7), a Defesa Civil do município trabalha com efetivo reforçado e com uma base operacional na sede da Comdep, no Quitandinha, região com os maiores índices de chuva. Além disso, a Defesa Civil mantém equipes baseadas nas localidades de maior risco, principalmente para deslizamentos, que somam o maior número de casos com 132 registros. Dos 10 pontos de apoio, que foram acionados para o acolhimento da população em caso de emergência, seis continuam abertos nas regiões do Quitandinha, Amazonas, Dr. Thouzet, São Sebastião, Independência e Floresta.  As estruturas estão em funcionamento com profissionais da Saúde, Educação, Assistência Social, agentes comunitários, além da Defesa Civil para orientar as pessoas que precisarem sair de suas casas.

 

“O petropolitano, especialmente aquele que está sofrendo por conta das chuvas, não está sozinho. A Prefeitura montou estrutura que garante o atendimento imediato a todos os chamados e oferecer o suporte necessário para a população”, destacou o prefeito Rubens Bomtempo.

 

Até o momento, apenas um dos pontos de apoio está sendo usado para o acolhimento de uma família da região do Amazonas. Cinco pessoas estão recebendo o suporte da Assistência Social que garante o atendimento para as necessidades essenciais de forma imediata, além de avaliar os serviços sociais cabíveis para a família, que teve a casa totalmente interditada. Além dessas, outras 37 pessoas tiveram que sair das residências, mas estão em casa de familiares até que nova vistoria seja feita pelas equipes técnicas da Defesa Civil e Secretaria de Obras. O retorno dos moradores às casas só será possível após a emissão de laudo que ateste a segurança estrutural dos imóveis.

 

Até o momento, 11 casas localizadas nas regiões de Corrêas, Estrada da Saudade, Carangola e Independência estão parcialmente interditadas. No entanto, a Defesa Civil alerta que esse número - casas interditadas e moradores desalojados ou desabrigados - pode sofrer alterações, tendo em vista o elevado número de ocorrências que continuam sendo registradas em virtude da chuva contínua. “A Defesa Civil permanece em alerta e solicitamos que a população fique em atenção em virtude da chuva contínua que pode gerar ocorrências com gravidade”, pontua o secretário de Defesa Civil, o Tenente Coronel Gil Kempers.

 

Além de deslizamentos, a Defesa Civil atendeu casos de quedas de árvores, avaliações estruturais e de risco geológico, infiltração e problemas em vias. As ocorrências foram registradas nas localidades da Mosela, Coronel Veiga, Samambaia, Independência, Bairro Castrioto, Carangola, Roseiral, Retiro, Estrada da Saudade, Caxambu, Quissamã, Quarteirão Brasileiro, Posse, Cascatinha, Quitandinha, Valparaíso, Fazenda Inglesa, Bonsucesso, Floresta, Alto da Serra, Chácara Flora, Morin, Bingen, Alto da Serra, Centro, Mosela, Duarte da Silveira, Vila Militar, Siméria, Saldanha Marinho e Caxambu.

 

Para a tarde e noite deste sábado (8) a previsão é de continuidade de chuva fraca a moderada, de forma contínua. Assim, tendo em permanência das condições de chuva e número elevado de ocorrências, a Defesa Civil mantém a cidade no Estágio Operacional de Alerta. Da mesma forma ainda está vigente o boletim geológico, que aponta risco muito alto para deslizamentos no primeiro distrito.

 

Últimos acumulados:

1º Distrito: São Sebastião Geo - 134 mm/24h, 316.6 mm/48h, 327.6 mm/72h, 327.6 mm/96h;

2º Distrito: Bonfim - 21 mm/24h, 73.75 mm/48h, 107 mm/72h, 107 mm/96h;

3º Distrito: Itaipava - 11.75 mm/24h, 69.5 mm/48h, 97.5 mm/72h, 97.5 mm/96h;

4º Distrito: Capim Roxo - 13.75 mm/24h, 67.7 mm/48h, 99.25 mm/72h, 99.25 mm/96h;

5º Distrito: Posse - 18.25 mm/24h, 88.25 mm/48h,  116.25 mm/96h, 120.75 mm/96h.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem