Marcelo e Lohana, proprietários do Cafélo, apostam na 
qualidade e complexidade de uma xícara de Café Especial (Divulgação)

O mundo todo celebra o Dia Mundial do Café no dia 14 de abril. Nada mais gostoso do que sentir um delicioso aroma de café passado na hora, não é verdade? Um dos mais antigos hábitos do brasileiro tem adquirido novas roupagens com sabores e formas diferenciadas e registra aumento cada vez maior no consumo per capita.
O consumo de café no mundo foi estimado em 165 milhões de sacas de 60kg num período seguido de doze meses. E, no Brasil, maior produtor e exportador de café, esse consumo foi calculado em 21 milhões de sacas anuais, número que representa em torno de 13% do que é bebido de café no planeta. Esse volume só fica atrás dos Estados Unidos, onde a bebida se tornou até protagonista de filmes policiais de tanto que é consumida, segundo dados da última pesquisa da ABIC (Associação Brasileira das Indústrias de Café).
Com ou sem açúcar, tomar café é um hábito no mundo todo e cada um tem suas preferências. Em Petrópolis, a Cafélo – cafeteria inaugurada em novembro de 2018 por Lohana Santos e Marcelo Santos dois apaixonados  pela bebida que desde de 2017 investiram na profissão de barista –, quer possibilitar aos clientes uma Experiência Sensorial por meio do Café Especial. Estamos falando de uma bebida de alta qualidade, feita com grãos de café selecionados e bem cuidados desde a colheita, que passando pelo processamento do grão cru, torra ajustada, envaze adequado, até o preparo chegando à xícara, proporcionará sabor singular e personalidade diferente e superior às bebidas de café geralmente servidas.
Diferente do Café Gourmet, categoria de classificação de café torrado e moído criado no Programa de Qualidade do Café da ABIC – Associação Brasileira da Indústria do Café (PQC), lançado no final de 2004, o Café Especial, de acordo com a Metodologia de Avaliação Sensorial da SCA (Specialty Coffee Association), usada no mundo todo, é todo aquele que atinge, no mínimo, 80 pontos na escala de pontuação da metodologia (que vai até 100), sendo avaliados os seguintes atributos:
- Aromas: Variados, dependendo do grão, podendo lembrar outras frutas, especiarias, etc.
​- Doçura:  o café deve ser doce sem necessidade da adição de açucares. 
​- Acidez: agradável, assim como em algumas frutas.
​- Amargor: mínimo, de preferência nenhum.
​- Sabor Residual: deve ser intenso, duradouro, mas sempre agradável.
​- Corpo: sensação de preenchimento na boca.
“Pesquisamos nossos grãos, que são produzidos sempre com responsabilidade sócio-ambiental, adotando a torra ideal e a melhor forma de preparo, trazendo doçura, sabores e aromas únicos, elevando sua experiência de sensações em apenas uma xícara. Estamos esperando você”, finaliza Lohana.

Cafélo   
Rua Doutor Nelson De Sá Earp 43, Centro
Funcionamento: segunda a sábado de 09h as 20h
Tel: (24) 3302-1206 / (24) 98183-9383


Leia Também