Angie Piqué*

 

Uma nova forma de punição vem ganhando força no tribunal das redes sociais: o cancelamento de pessoas. O fenômeno, que tem sua origem na “Cultura do Cancelamento”, vem sendo utilizado na internet para punir, excluir e, principalmente, cancelar, pessoas públicas, que disseram coisas preconceituosas e ofensivas consideradas inaceitáveis na atualidade. A chamada cultura do cancelamento permite que a opinião pública se manifeste contra qualquer ato considerado inaceitável para os dias de hoje como, por exemplo, racismo, discriminação, preconceito, xenofobia, homofobia e abuso de poder. Porém, por outro lado, ela também oferece perigos que são característicos a qualquer ato de censura e exclusão, já que nem sempre é claro o limite entre o certo e o errado.

   

A maneira punitiva como funciona o cancelamento virtual de pessoas se assemelha a antiga forma relatada na história de apedrejamento ou linchamento. Aqueles que desejam repudiar algum tipo de comportamento conseguem participar de forma direta no ato de repreender e expressar raiva, ódio e outros sentimentos negativos. O cancelamento virtual, apesar de não ter consequências diretamente letais, como acontece no linchamento, acaba provocando a exclusão de uma determinada pessoa do convívio, pelo menos a nível virtual, acarretando, em muitos dos casos, consequências importantes. Dependendo com quem e em que circunstâncias isto acontece, quem sofre o cancelamento pode perder oportunidades de troca, visibilidade, contratos profissionais, patrocínios e, também, manchar sua imagem pública.

 

Neste jogo de exclusão, tanto aquele que é repudiado como aquele que exerce o repúdio pode sofrer diversas consequências psíquicas preocupantes. O fato de se sentir excluído de forma tão rápida e por tantas pessoas ocasiona sentimentos de desamparo, depressão e, em alguns casos, pode despertar uma sede de vingança. A vítima do cancelamento pode se sentir injustiçado e, consequentemente, procurar a forma de “dar o troco”.

 

Ainda que consideremos que muitas das pessoas canceladas são merecedoras de serem banidas ou limitadas em relação à emissão de opiniões ou participações em grupos, não podemos esquecer que o objetivo mais importante deste tipo de ação deveria ser o seu efeito educador. E como educar alguém que é banido do grupo? A opinião pública pode, de forma devastadora e muito rápida, destruir a imagem de alguém inocente ou, até mesmo, contribuir para atos destrutivos e preocupantes, como o suicídio, brigas e guerras entre grupos e expressões de ódio que inflamam e dividem os membros de um grupo ou sociedade. Estes perigos se tornam mais preocupantes no caso dos adolescentes, que representam uma população que domina a internet e que utilizam a cultura do cancelamento sendo extremamente rígidos nas críticas sobre o que eles mesmos consideram certo ou errado.  

 

É fundamental que pais e educadores procurem conversar com os adolescentes sobre todos estes riscos e tentem, sempre que possível, demonstrar que qualquer tipo de postura considerada condenável, ofensiva ou preconceituosa acaba tendo consequências incontroláveis que podem afetar drasticamente a vida de outra pessoa.

 

(*) Gestora Nacional do Curso de Psicologia da Estácio

 

(Edição: 02/03/2021)

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem
 https://www.unimed.coop.br/web/petropolis