Medidas são preventivas e visam evitar colapso da rede

 

O prefeito interino Hingo Hammes anunciou na noite desta quinta-feira (04.03), ao lado do secretário municipal de Saúde, Aloisio Barbosa, um pacote de medidas restritivas com o objetivo de conter os casos de Covid-19 e prevenir uma eventual sobrecarga, ou mesmo o colapso no sistema de saúde de Petrópolis - o que já ocorre em municípios vizinhos. O decreto que será publicado nesta sexta-feira (05.03) e entra em vigor imediatamente determina que comércios, bares, lanchonetes e restaurantes, mesmo os que funcionam em shoppings e centros comerciais, devem fechar às 22h (sem clientes a partir deste horário). Durante o horário de funcionamento (autorizado das 5h às 22h), os mesmos devem respeitar o limite de 50% da capacidade de ocupação. Pistas de dança seguem proibidas. Também passa a ser proibida a permanência de pessoas em vias, áreas e praças públicas das 22h às 5h. Apenas a circulação é permitida. A fiscalização terá o apoio da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal. As medidas serão mantidas até 15 de março.

 

A Secretaria de Serviços Segurança e Ordem Pública irá intensificar também a fiscalização sobre os estabelecimentos, verificando o cumprimento dos decretos, e adotará medidas mais duras, como a interdição do estabelecimento em caso de descumprimento das regras. A Prefeitura também fará uma campanha de conscientização da população e utilizará as sirenes de alerta e alarme da Defesa Civil com mensagens aos moradores de comunidades.

               

As medidas foram anunciadas durante reunião que contou com a participação de infectologistas da rede pública do município, secretários municipais, vereadores e representantes de entidades ligadas à hotelaria e setores de alimentação e eventos.

 

“O monitoramento diário da situação da covid-19 na cidade apontou um aumento na demanda por atendimento nos pontos de apoio após o carnaval, assim como nas internações. A situação está estável no momento, mas precisamos atuar para evitar em Petrópolis o que temos visto nos municípios do entorno e em boa parte do país. As medidas anunciadas hoje são preventivas, mas fundamentais para que possamos conter a propagação da doença”, afirma o prefeito interino Hingo Hammes, destacando a que população tem um papel importante no combate a pandemia.

 

“Mais do que nunca, precisamos que a população nos ajude a conter a pandemia. É importante lembrar que nada que fizermos será suficiente se a população não colaborar, mantendo as medidas de prevenção, sobretudo o uso de máscara e o distanciamento social, evitando as aglomerações”, frisa o secretário de Saúde Aloisio Barbosa da Silva Filho.

  

Denúncias sobre descumprimento de decretos municipais e aglomerações podem ser feitas à Guarda Municipal, pelos telefones 153 ou (24) 2246-9257 (funciona 24h); Fiscalização, pelos telefones (24) 2246-9042 ou 2246-9043 (funciona de segunda a sexta-feira das 9h às 18h); e Vigilância Sanitária, pelos telefones 2246-9041 (funciona de segunda a sexta-feira das 8h às 17h). Denúncias de aglomerações também podem ser feitas à Polícia Militar, pelos telefones 190 ou 2291-4020. 

 

UPA Cascatinha volta a ser UPA Vermelha nesta sexta

Para atender o aumento de demanda por internações, a prefeitura está redimensionando a rede de Saúde, com a reabertura da UPA Vermelha. A unidade vai operar com 18 leitos, sendo 14 de UTI e 4 de clínica médica. A UPA Vermelha será exclusiva para a internação de pacientes com covid-19 e voltará a funcionar no prédio da UPA Cascatinha, que teve o atendimento suspenso provisoriamente. O ponto de apoio para atendimento de pacientes com sintomas de covid-19 montado ao lado da UPA seguirá funcionando normalmente, com médicos 24h.

 

Com a mudança, pacientes que precisem de atendimento de emergência não covid devem se dirigir à UPA Centro, UPA Itaipava ou ao Pronto Socorro Leônidas Sampaio, no Alto da Serra. Já pacientes com sintomas de covid devem se dirigir aos pontos de apoio, que funcionam ao lado da UPA Cascatinha (com médicos 24h), no primeiro andar do Hospital Municipal Nelson de Sá Earp (HMNSE) e ao lado da Unidade Básica de Saúde (UBS) de Itaipava (estes dois pontos de apoio com médico das 8h às 20h e enfermeiros 24h).

 

“Este redimensionamento da rede é necessário para que a cidade consiga atender a demanda que está surgindo. Hoje, além de atender os pacientes da cidade, nossa rede recebe também pacientes de fora. Isso porque a regulação de leitos para covid-19, por lei, é atualmente feita pelo Estado, que busca as vagas e direciona os pacientes. A prioridade é sempre do morador da cidade, mas precisamos estar prontos para um aumento da demanda”, assinala o secretário de Saúde Aloisio Barbosa da Silva Filho.

 

Infectologista da rede municipal de Saúde, José Henrique Castrioto de Cunto frisou a importância da antecipação do município, adotando medidas para conter, agora, a disseminação do coronavírus e minimizar a pressão sobre a rede de saúde. “Esta medida dá fôlego ao sistema. Não estamos na mesma situação de dezembro, quando houve uma sobrecarga da rede, mas hoje, com a regulação estadual, precisamos nos manter em alerta”, enfatizou.

 

Também infectologista da rede, Marco Liserre ressaltou a importância da participação da população para conter a disseminação do vírus e evitar a necessidade de medidas ainda mais restritivas. “As pessoas precisam manter o uso de máscaras, os cuidados de higiene com a lavagem das mãos e o distanciamento. É preciso que as pessoas evitem aglomerações”, frisou. 

 

O monitoramento de internações registradas na cidade apontou um aumento de cerca de 39% no número global de internações (leitos clínicos e de UTI) nos últimos 14 dias, passando de 118, em 20 de fevereiro para 165 no fim da tarde de quinta-feira (04.03). A Secretaria de Saúde já sente também o impacto das alterações no sistema de regulação imposto pelo Estado, que permite, com a regulação de leitos sendo feita pelo Estado, que pacientes de outros municípios que precisam de leitos de UTI-Covid, sejam transferidos para Petrópolis. Desde a semana passada Petrópolis registra uma média de 10 internações de pacientes de outros municípios. Na noite de quinta-feira, por exemplo, 13 pacientes de fora da cidade estavam internados em leitos de UTI-Covid na rede SUS da cidade.    

 

A Secretaria de Saúde também está suspendendo a realização de cirurgias eletivas – estando garantidas, no entanto, os procedimentos e cirurgias de emergência e oncológicas.

 

PMP vem reivindicando envio de mais doses de vacina

Em outra frente, o prefeito interino Hingo Hammes vem reivindicando junto ao Estado e ao Ministério da Saúde o envio de mais doses de vacinas contra a Covid-19. O assunto esteve na pauta de uma reunião no Ministério da Saúde na semana passada.

 

“Temos buscado de todas as formas acelerar o envio de vacinas para que tenhamos doses suficientes para ampliar a vacinação e desta forma mais pessoas estejam protegidas”, frisa o prefeito interino Hingo Hammes, que esta semana também aderiu ao movimento da Frente Nacional de Prefeitos para a criação e um consórcio para a aquisição de vacinas.  

  

Desde a chegada do primeiro lote de vacinas, em 19 de janeiro, Petrópolis recebeu doses suficientes para vacinar 18.940 pessoas, considerando a última remessa de vacinas CoronaVac, recebida nesta quinta-feira (04.03). O total de vacinas recebidas até o momento, corresponde a pouco mais de 6% da população petropolitana e permite a vacinação de 63% do público que faz parte da 1ª fase do Plano Nacional de Vacinação, estimado em Petrópolis em 30 mil pessoas. Com a chegada de novas doses, o município vai ampliar, no início da próxima semana, o público a ser vacinado, ainda atendendo o público previsto na primeira fase da campanha.


(Edição 05/03/2021)

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem