Na semana em que será comemorado o Dia Mundial do Livro (23 de abril), o governo municipal confirmou que vai voltar a emprestar os exemplares disponíveis na Biblioteca Central Municipal Gabriela Mistral, no Centro de Cultura; no Centro Cultural Estação de Nogueira; e na sala de leitura de Itaipava, que fica no Parque Municipal. O serviço, paralisado desde o início da pandemia em março de 2020, será oferecido para a população às terças e quintas-feiras, das 10h às 16h. O primeiro dia de atendimento aos petropolitanos será 27 de abril.

 

O objetivo da prefeitura é ofertar mais uma atividade de lazer em meio à pandemia – só no Biblioteca do Centro são mais de 150 mil volumes, incluindo livros acessíveis (em Braille e audiolivros), periódicos, cartografia, jornais, coleção iconográfica, midiateca, livros infanto-juvenis, didáticos, antigos, raros, e documentos nos mais variados suportes. Em Itaipava e Nogueira, somados, são quase 10 mil exemplares. 

 

“A leitura é importante para o desenvolvimento de crianças, jovens e adultos. É uma atividade de lazer, mas também de aprendizado. É um estímulo à imaginação, que pode contribuir muito para o bem-estar, especialmente neste período de pandemia”, lembrou o prefeito interino Hingo Hammes.

 

O empréstimo de livros será feito de maneira segura, seguindo todos os protocolos sanitários. O livro será emprestado para leitura em casa. 

O diretor-presidente do Instituto Municipal de Cultura, Leandro Kronemberger, visitou os centros de culturais da Posse (Praça CEU) e de Pedro do Rio nesta quarta-feira (21/04). Ao lado da gerente do Centro de Cultura Raul de Leoni, Catarina Maul, Berg mapeou as necessidades para, assim que possível, retornar com as atividades e o empréstimo de livros nestes locais.

 

"A gente está trabalhando para, em breve, voltar a oferecer o empréstimo de livros também em Pedro do Rio e na Posse. São espaços importantes, que fortalecem o fomento à cultura em nosso município", completou Berg.

 

No centro cultural em Cascatinha, a prefeitura pretende instalar uma sala de leitura com a disponibilização de exemplares de forma gratuita. "A nossa luta é para oferecer o melhor serviço para a população. Além da exposição fotográfica em Cascatinha, queremos formalizar uma sala de leitura, um espaço cultural para todas as idades", explicou Berg.

 

“Os livros, junto com outros produtos culturais, foram a enorme salvação da humanidade nos tempos de pandemia, embora, como escritora, possa afirmar que sempre foi a arte a grande salvação da humanidade em qualquer tempo", disse Catarina Maul. "Isso prova a imortalidade e a importância dos livros”, completa.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem