Capitão América da Região Serrana / Fotos: Divulgação


Gisele Oliveira - Especial Petrópolis em Cena


Das telas de cinema ao surpreendente encontro, nas ruas ou em uma visita inusitada, com um dos super-heróis mais conhecidos do mundo da Marvel Comics, o Capitão América. É exatamente através do amor e da admiração dos pequenos por este ícone dos quadrinhos, que Everaldo Pinto se aproxima das crianças e realiza um importante trabalho de conscientização e prevenção neste período de pandemia.

 

Tudo começou quando o sargento da Polícia Militar, Everaldo Pinto, decidiu comprar uma roupa cosplay do personagem favorito dos seus dois filhos, Gustavo, de 2 anos, e Guilherme, de 9 anos. A ideia inicial era usar o traje apenas no ambiente familiar, trazendo mais alegria ao brincar com os filhos. No entanto, com as dificuldades impostas pela pandemia, Everaldo viu a possibilidade de ajudar outras crianças gravando vídeos motivacionais.

 

“Os meus filhos curtem muito o Capitão América. Cada um tem a sua roupinha do herói. Antes da pandemia, eu tive a ideia de comprar essa roupa cosplay, para ficar realmente parecido com o herói das telas de cinema que eles tanto gostam. Quando o traje e o capacete chegaram, começou a pandemia. Eu gravei alguns vídeos para os filhos de amigos, para algumas crianças que faziam aniversário e também para pessoas especiais autistas. Os pais me pediam o vídeo e me direcionam a respeito da mensagem falando sobre a necessidade de cada criança naquele momento. Conforme a ideia foi tomando proporção e surgindo mais demandas, eu já estava apaixonado por esse trabalho voluntário”, explica Everaldo Pinto.

 

Everaldo Pinto com os filhos Gustavo e Guilherme

A iniciativa do personagem ganhou o Brasil, com vídeos sendo solicitados em vários estados, através das redes sociais, e também repercussão na mídia internacional. Afinal, um trabalho voluntário direcionado aos pequenos, especialmente neste momento tão delicado de pandemia, não poderia ficar restrito.

 

“Eu gravei vários vídeos, sempre diante daquilo que os pais me passavam. Geralmente, quando a criança estava fazendo aniversário, os pais davam um presente e mostravam a mensagem do Capitão América, dando os parabéns e dizendo sobre a importância dos cuidados na pandemia. Também gravei alguns vídeos para ajudar crianças que tinham medo de algum animal, que estavam tendo problemas com o estudo a distância ou com dificuldades em aceitar o uso da máscara de proteção”, destaca.

 

Everaldo conta que chegou a gravar em média 120 vídeos por mês. Então, surgiu uma nova proposta no trabalho voluntário. Ir às ruas das cidades de Teresópolis, sua cidade de origem, Petrópolis e Duque de Caxias para incentivar os pequenos a usar a máscara de proteção e ser um agente de conscientização na família, sempre seguindo as medidas de prevenção.

 

“O interessante de ser um personagem é conseguir me aproximar de uma maneira lúdica, bem simples, e realizar um trabalho bacana, que leva uma mensagem acolhedora e ajuda a reduzir o sofrimento dessas crianças que estão passando por esse momento de privação social com a pandemia. Por isso, eu faço um convite especial a cada uma delas durante a nossa conversa, dizendo para serem uma extensão de super-heróis em suas casas, cuidando dos seus familiares, sempre lembrando de usar as máscaras, higienizar as mãos e manter o distanciamento físico das outras pessoas quando precisarem sair de casa”, destaca.

 



Atualmente, Everaldo faz um roteiro para guiar suas atividades nas ruas e evitar aglomeração. Em Petrópolis, cidade em que reside, ele sai pelos bairros toda semana, com sua moto Harley-Davidson, como a utilizada pelo personagem, para distribuir kits de prevenção, com máscara e álcool em gel, e entrega às crianças que encontra na rua. Como nos quadrinhos, o Capitão América da Região Serrana também conta com o seu time de Vingadores. Trata-se de um grupo formado por alguns amigos e familiares que apoia a iniciativa e contribui na entrega dos itens de prevenção.

 

“Fiz um roteiro planejando o trajeto de ir até Duque de Caxias, mas eu já tenho marcado para ir a São José do Vale do Rio Preto e em Três Rios também. Quando entrego os kits, a mensagem do personagem para as crianças é sempre frisando que precisam se cuidar direitinho na pandemia, estudar e obedecer aos pais”, frisa.

 

Aos 44 anos de idade e com um longo histórico de trabalhos sociais, Everaldo conta que dar um bom exemplo de cidadania aos filhos e a alegria das crianças ao se encontrar com ele vestido de super-herói são as principais motivações para continuar com o projeto.

 



“Esse trabalho é 100% feito para as crianças. Elas me inspiram a querer continuar. Quero deixar esse legado para os meus filhos. Os bens materiais acabam, mas esse cuidado positivo de empatia pelo próximo, de zelo, isso não acaba jamais. Eles certamente levarão para o resto da vida”, finaliza. 

 

Para conhecer um pouco mais sobre o trabalho de Everaldo como Capitão América, acesse o perfil dele no Instagram: @everaldo_capitão_américa.




Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem