Brasileiros expõem reflexões sobre o futuro pós-pandemia



O Sesc Quitandinha abre na próxima sexta-feira (8/10), na Cúpula do Palácio, a Ocupação Refúgio: Arte, Ciência e Tecnologia - Narrativas e Mediações em Tecnologia e humanidades. Trata-se de uma mostra imersiva e interativa que levará o público a uma viagem aos recônditos da condição humana vivida durante a quarentena contra a Covid-19: o refúgio. Saiba mais em www.ocupacaorefugio.com.br.

 

Na instalação artística “Irifi: Estrelas do Deserto”, o visitante é “transportado”, por meio de ferramentas de realidade aumentada e imagens 3D, ao deserto do Saara Ocidental. Ali conhecerá histórias e os hábitos do povo saarauí, que desde 1975 vive na condição de refugiado na região Norte da África e luta por sua independência do Marrocos e da Mauritânia. O ambiente reproduzirá a atmosfera local, com destaque para o céu estrelado, umas das ferramentas de localização utilizadas pelos saarauís em suas peregrinações pelo deserto. O projeto leva a assinatura do artista e cineasta Felipe Carrelli, com a participação do GalileoMobile, organização internacional que se dedica a levar a diversos países do mundo a divulgação científica.

 

A instalação “Quarentena: como será o amanhã?” apresentará, por meio de dispositivos audiovisuais, depoimentos de pessoas em isolamento social captados durante a primeira onda da pandemia. Os relatos representam uma diversidade de perspectivas e afetos através das projeções futuras de brasileiros no refúgio das suas casas. O trabalho é assinado por André Paz, coordenador do BUG 404, laboratório em rede que atua no campo das narrativas interativas e imersivas inovadoras, ligado à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e ao Programa de Pós-Graduação em Mídias Criativas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGMC/UFRJ).

 

Ferramentas tecnológicas levam a uma “viagem” ao deserto do Saara Ocidental



“Refúgio é um lugar onde estamos acolhidos, protegidos de perigo iminente. Onde o encontramos diante da Covid? Em nossas casas? E como nos refugiamos da solidão do isolamento social?  Nas telas, pela internet? Talvez, o coronavírus tenha disseminado uma experiência de vulnerabilidade análoga àquela vivida desde sempre pelos povos refugiados. Desterrados em suas próprias casas. Sem chão”, analisa André Paz, diretor artístico da Ocupação Refúgio e coordenador do BUG 404.

 

Criatividade durante o isolamento social

Além das duas instalações, o projeto Ocupação Refúgio contará com a Mostra Corona Bug, na qual serão apresentadas seis iniciativas on-line criadas durante isolamento social. Além da criatividade, os projetos trazem em comum o caráter de acolhimento aos usuários. Através da leitura de QR Codes, o visitante conhecerá, por exemplo, o Museu do Isolamento, o primeiro museu online do Brasil que se propõe a divulgar o trabalho de artistas que estão produzindo em seus diferentes isolamentos. Também poderá acessar, entre outros, o Cartografias da Memória, um compilado de áudios sobre as experiências e sentimentos vividos por pessoas durante a quarentena no Brasil e no mundo.

 

Serviço

Ocupação Refúgio

- Dias 10, 18 e 25 de setembro

Lives no canal do Sesc RJ no YouTube (/portalsescrio)

- De 8 de outubro a 31 janeiro

Instalações presenciais na Cúpula do Sesc Quitandinha (Rua Joaquim Rolla 2 - Petrópolis)

Mais informações em www.ocupacaorefugio.com.br (A partir de 10 de setembro).

 

 

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem