Dezembro é o mês da chegada do Verão no Brasil e demais países do hemisfério Sul e junto, com ele vem ainda a importância de prestar ainda mais atenção nos cuidados com a pele, o maior órgão do nosso corpo e, que nesta época, fica ainda mais exposto as delícias e perigos caudados pelo sol. Por isso, o mês de dezembro traz também a mensagem da prevenção e do combate ao Câncer de Pele e a APPO, Associação Petropolitana de Pacientes Oncológicos, que dá suporte a pacientes acometidos com diferentes tipos de câncer, entra junto nesta campanha.

 

O câncer de pele é o mais comum no Brasil e, de acordo com o Inca, Instituto Nacional do Câncer, chega a ser responsável por cerca de 30% dos casos de câncer no nosso país. Este tipo de câncer ocorre quando as células da pele se multiplicam de forma anormal e descontrolada, o que desencadeia dois tipos da doença. O tipo melanoma, que é a forma mais grave do tumor e também mais rara, que pode levar a morte. O outro é o não melanoma, tumor maligno com baixa taxa de mortalidade, mas que pode causar deformações. O câncer de pele é mais comum em pessoas acima dos 40 anos e considerado raro em crianças e pessoas negras. A grande questão é que são grandes as chances de cura quando descoberto logo no início. Para isso, é de suma importância a avaliação dermatológica de rotina e a observação.

 

Dra. Juliana Coser


A dermatologista Juliana Coser explica que a visita ao médico que cuida da pele deve ser feita sempre que surgir uma lesão ou haja modificação de uma pré-existente. “A maioria das lesões que indicam câncer de pele não causa dor ou coceira e apenas o médico pode diagnosticar, por meio de exames específicos se há suspeita ou não de malignidade”, explica Juliana. O exame clínico é feito com auxílio de um aparelho chamado dermatoscópio e somente por meio dele e da biópsia é possível diagnosticar o câncer de pele. O tratamento do câncer de pele é cirúrgico e, em casos mais agressivos, precisa ser associado a quimioterapia, radioterapia e imunoterapia.

 

Conhecer bem a pele e saber em quais regiões existem manchas ou pintas e qual o formato e anatomia delas, também é muito importante para detectar qualquer irregularidade. E existe uma metodologia, indicada pelos dermatologistas que pode auxiliar na identificação dos sinais perigosos. É a regra do ABCDE, no qual cada letra representa um aspecto que precisa ser analisado: Assimetria, Bordas, Cor, Diâmetro e Evolução. “Se conhecer é sempre muito importante e observar estes aspectos pode ser imprescindível para o diagnóstico precoce e a cura da doença. Portanto, a qualquer sinal de anormalidade procure um médico dermatologista imediatamente”, ressalta Juliana.  

 

Existem ainda outros cuidados que, muitas vezes são tomados apenas no verão, mas que devem ser seguidos o ano todo. O principal deles é o uso do filtro solar que precisa ser diário independente da temperatura, já que os danos causados pelos raios UV tem efeito cumulativo sobre a pele. A penetração de raios induz a queimaduras, surgimento de manchas e danos ao DNA das células, o que pode resultar em tumores benignos e malignos. “O cuidado em usar o filtro solar todos os dias, além de roupas de proteção UV, chapéus, bonés e quaisquer outros meios de se proteger dos raios solares, é a melhor maneira de evitar o câncer de pele. Prevenção é tudo!”, finaliza Juliana.

 

Mais informações sobre a APPO ou como se tornar um parceiro e mudar a vida de algum paciente oncológico, podem ser obtidas na sede da APPO – Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos, localizada à Rua Visconde da Penha, nº 72 - Centro – Petrópolis – RJ, por meio do telefone fixo (24) 2242-0956, do WhastsApp (24) 99274-1377, do site www.appo.org.br, do e-mail appo@appo.org.br ou ainda das mídias sociais Facebook @appo.org (httpswww.facebook.comappo.org) e Instagram @associacaopetropolitana

 

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem