Chef Marcelo Pieri (Divulgação/Petrópolis em Cena)

Caçarola, babà ao rhum, bavarese, crostoli, gelato, panforte, panetone, semifredo, torrone, zabaione, torta sbrisolona, zeppole... A lista de doces e sobremesas da Itália é extensa. Em clima de Serra Serata, festa que valoriza a cultura, costumes e claro, a gastronomia reconhecida como uma das mais apreciadas no mundo todo. Para simplifcar.selecionamos algumas dessas delícias  para você. 

Cannoli
Originário de Palermo, no sul da Sicília, o doce é bem populares na cozinha italiana
.  Consiste em uma massa frita em formato de tubo, que pode ser recheado com um creme à base de queijo ricota ou mascarpone, baunilha, chocolate, pistache, frutas cristalizadas, vinho Marsala e limão siciliano. No mês de homenagem aos italianos, a Padaria e Confeitaria Sul América vai fabricar o doce no período da Serra Serata. Informações: (24-2242-3156). /Imagem ilustrativa


Tiramisù – Sobremesa italiana super conhecida e tradicional a base de chocolate, café, biscoito e creme de mascarpone. Sua origem é complicada, e até existe uma disputa entre o Veneto, Friulli-Venezia Giulia e a Toscana pela maternidade do doce. Na Trattoria S’a Carola, a receita é do Chef Marcelo Pieri arranca suspiros. Informações: (24-2237-9562).

Gelato
Uma espécie de sorvete mais cremoso, feito com ingredientes naturais e produção artesanal. O equilíbrio entre a água e o açúcar é o que garante a textura ideal do gelato. São conservados em uma temperatura mais alta, por isso não “congelam” como os sorvetes comercializados no Brasil, por exemplo. Em Petrópolis, a marca Seleri é encontra no restaurante Massas Luigi. Informações: (24-2244-4422) /Imagem ilustrativa.

Panna cotta - Sobremesa tipicamente italiana e famosa mundialmente. Sua base é preparada com natas/creme de leite, açúcar e gelatina. O doce é acompanhado de caldas, purês de frutas (panna cotta ai frutti di bosco), ou até caramelo e chocolate (panna cotta al cioccolato). Apesar de boatos que ele vem do Piemonte, não há uma história certa sobre o seu surgimento. Chef Cristina Pellegrini (24-22423131).

MAIS DOCES

Babà ao rhum
Original de Nápoles, consiste de uma levíssima massa embebida em calda temperada de rhum. Existem versões recheadas com chocolate e chantilly.

Bavarese
Também conhecido como Crema Bavarese, é uma sobremesa preparada a partir de um creme inglês que é amálgama com geléia ou pasta de peixe e adiciona creme, que é incorporado no final.

Biscotti
Biscoito italiano de nozes e uvas-passas. “Biscotti” significa “duas vezes assado” em Italiano. Antigamente, os fornos não eram tão bons quanto os fornos de hoje e o método de “assar duas vezes” era bastante comum para produzir um biscoito crocante e sequinho. Desse modo, ele poderia durar por mais tempo.

Bolo de Caçarola
A receita original leva o queijo Parmigiano-Reggiano (ou parmesão), ovos, açúcar, farinha, manteiga, leite e fermento – semelhante à receita do bombocado, com exceção do coco. Os portugueses aumentaram a quantidade de ovos. No Brasil, excluiu-se o queijo e acrescentou-se leite de coco e leite condensado. O resultado tem textura cremosa e lembra um pudim de pão. Seu nome origina do utensílio utilizado para sua confecção, do francês “casserole”.

Cantucci
Biscoitos doces, secos e duros que derivam da preparação de um antigo doce chamado melatello, muito comuns na região da Toscana. A base original da receita desses biscoitos é farinha, água e mel, mas com o tempo foram adicionados ovos e amêndoas.

Cassata siciliana
Fina camada de pão-de-ló embebido em calda de rhum, recheada com creme ricota doce, nozes picadas, frutas cristalizadas, por vezes coberto com foundant decorado com cereja.

Ciambella
Bolo extremamente macio, feito de farinha, manteiga, leite, ovos, açúcar, fermento e baunilha, geralmente enfeitado com açúcar de confeiteiro.

Crème Caramel
 É como se fosse nosso pudim de leite! Para quem não sabe o pudim de leite já era preparado na época do império romano, sobreviveu à Idade Média, e muitos dizem que foi graças a Cristovão Colombo e às grandes navegações que o pudim de leite chegou à Península Ibérica.

Crema Pasticcera (ou Patissière)
Uma das bases da confeitaria italiana, também conhecido como Creme de Confeiteiro no Brasil. De textura suave e cremosa, é feito de leite, gemas, farinha, açúcar e baunilha. Pode ser encontrado recheando vários doces ou servido em copos com frutas.

Crostoli
É uma massinha frita, por vezes mais grossa e macia ou mais fina e crocante. No Brasil, também é conhecido como “Cueca Virada”, “Orelha de Gato” ou até mesmo “Cavaco”.

Cucidati
Biscoitos que levam figo seco, uva-passa, raspas de laranja, nozes, mel, canela e chocolate.

Granita
Doce gelado típico da Sicília, preparado com água, açúcar e frutas. Em algumas receitas, o café, cacau ou amêndoas são acrescentados. Entre os sabores mais conhecidos estão o de melancia com champanhe e o de limão. Parece com o sorvete, mas apresenta uma textura mais grosseira e cristalina, ou seja, verdadeiras pedras de gelo aromatizadas que podem ser grandes ou pequenas.

Maritozzo con la panna
Doce da região do Lácio, particularmente de Roma. Consiste de um pequeno pedaço de pão misturado com farinha, ovos, mel, manteiga e sal, cortado ao meio no sentido do comprimento e recheado com abundância de chantilly (“la panna”, ou creme). Seu nome deriva do costume de dar a este bolo para a namorada.

Panforte
Torta com massa semelhante a um torrone de chocolate, com nozes, amêndoas e frutas cristalizadas, coberta com folha de arroz e açúcar de confeiteiro. Originário de Siena, no século XIII. O da foto foi elaborado por chef Cristina Pellegrini.

Pastiera di Grano
Torta à base de ricota e trigo em grão, perfumada com canela e limão, é um doce clássico da cozinha napolitana. Sua masa é conhecida como Pasta frolla: mistura de farinha, sal, açúcar, manteiga, ovos, bicarbonato de sódio e aromas como baunilha, baunilha ou casca de citrinos. Possui recheio de creme de ricota aromatizado com flor de laranja e grãos de trigo (uvas passas no caso da Pastiera Romana).

Panetone
A verdadeira origem do panetone deve ser procurada no costume difundido na época medieval de celebrar o Natal com um pão mais saboroso que o de todos os dias (aquela história do “pão do Toni” é lenda). É preparado com farinha, ovos, açúcar, uvas passas e frutas cristalizadas, até obter uma massa macia e muito levedada.

Salame di cioccolato
Conhecido por toda a Itália, como próprio nome diz, lembra um salame feito de chocolate, com chocolate, bolachas, manteiga, ovos. A receita é de preparo simples e deliciosa, lembra um ‘salame’ por sua forma cilíndrica.  

Semifredo
Doce que não é um sorvete, mas é macio e se come congelado. É semelhante à cassata tradicional, mas indo para um gelato de textura suave.

Sfogliatella
Outro tradicional doce napolitano, feito de massa folhada recheada com creme de ricota doce e frutas cristalizadas, coberta com açúcar de confeiteiro.

Struffoli
 Doce típico dos natais napolitanos, também conhecido como “pingos de mel”. A sobremesas é um conjunto de bolinhas de massa fritas, caramelizadas no mel e decoradas com frutas cristalizadas e confeitos coloridos.

Taralli
Massinha italiana de formato toroidal, comum em toda a metade sul da península italiana. Um biscoito de textura semelhante a um pedaço de pão, o taralli pode ser doce (às vezes vitrificados com açúcar) ou salgado (aromatizado com cebola, alho, sementes de gergelim, sementes de papoula, erva-doce, pimenta, pimenta ou apenas sal).

Torrone
Tipicamente feito com mel, clara de ovos e amêndoas. Sua origem é espanhola (“turrón”), mas foram desenvolvidas variações italianas com diferentes composições desses ingredientes, texturas variadas e sabores acrescentados (como baunilha).

Zabaione
Também de Piemonte, possui muitos séculos de história. É feito batendo gemas, açúcar e vinho Marsala numa tigela colocada dentro de um tacho com água fervente, geralmente servido com uma calda de frutas.

Zeppole (ou Zeppoline)
Também de Nápoles, são pequenos bolinhos fritos de farinha, água, sal, açúcar e fermento, recheados com creme Patissière e coberta com mel de flor de laranjeira e castanha de caju picada. Tradicional durante a época do Carnaval, no qual a fritura é um sinal de abundância, e especialmente no dia 19 de março, quando é comemorado, na Itália, o Dia de San Giuseppe (Dia de São José, no Brasil), considerado Dia dos Pais.

Zuppa
É igual ao pavê: um creme com biscoito inglês.







Leia Também