Um grandioso baile promovido pela Princesa Isabel, há exatos 135 anos, anunciava a inauguração do que hoje é um dos principais patrimônios histórico-culturais de Petrópolis. Encomendado pelo Conde d’Eu, marido da princesa, o Palácio de Cristal é o aniversariante deste sábado, 2 de fevereiro. A data também marca os 140 anos de sua Pedra Fundamental, já que a obra durou cinto anos para ficar pronta. Depois de passar por Museu Histórico de Petrópolis, Escola de Música, clube de escoteiros e até quartel do Corpo de Bombeiros, o Palácio é hoje um dos atrativos mais visitados da Cidade Imperial e palco das principais festas do município, que chegam a movimentar R$ 400 milhões na economia.
Instalado na antiga Praça da Confluência, chamada pelos colonos alemães de Praça Koblenz, esse patrimônio do município, cuja estrutura pré moldada veio da França, inspirado no  Palácio de Cristal de Londres, vem ganhando atenção especial na atual administração. A prefeitura já garantiu uma verba de R$ 1.396.757,82 para a reforma da estrutura e trabalha para que as obras sejam iniciadas ainda este ano. O projeto executivo está sendo finalizado para que seja encaminhado à Caixa Econômica Federal.
Pelos jardins e o interior do Palácio hoje passam festas que homenageiam os colonos alemães, como a Bauernfest, que este ano chega a sua 30ª edição, além de italianos, como a Serra Serata, japoneses, como o Bunka-Sai, entre diversas outras. Só em 2018 foram 189 dias de eventos promovidos pela prefeitura e também pela iniciativa privada. Entre dezembro e janeiro, o Natal Imperial movimentou o local e atraiu ainda mais visitantes com uma decoração especial.
Instalado para receber exposições de flores, hortícolas e de pássaros, já que o Conde d’Eu fazia parte da Sociedade Agrícola de Petrópolis, este dia 2 fevereiro também é marcado pela inauguração da primeira exposição de horticultura, em 1875, que contou com a presença até do imperador D. Pedro II. Há quem diga que o Palácio foi um presente para a Princesa Isabel, mas o historiador Joaquim Eloy diz que a história não foi bem essa.
“O presente foi, na verdade, para a sociedade hortícola, a qual a princesa fazia parte. Tanto que o patrimônio não ficou na Família Imperial. O Palácio de Cristal é muito importante porque é o único no mundo daquela época, porque foi construído pela mesma empresa que fez a Torre Eiffel e também porque abrigou muitos eventos importantes. E o papel dele deve ser esse, continuar movimentado. Ele é festivo, tem jardins muito interessantes, um bom espaço no Centro”, frisa.
Além das exposições, o Palácio também marca um importante episódio da história do Brasil quando, em 1º de abril 1888, se antecipando á Lei Áurea, a Princesa Isabel entregou 103 títulos de liberdade aos escravos de Petrópolis.
O Palácio de Cristal tem entrada gratuita e funciona todos os dias. 

Leia Também