Dra. Claudia de S. Thiago Ragon


Momentos de crise na área da saúde expõem nossas fragilidades econômicas e sociais, desnudando as desigualdades e revelando a falta de investimento e de ações efetivas em saúde pública.  

 

As pandemias do novo Coronavírus, em pleno século XXI, e a da Aids, iniciada no século XX, nos mostram a necessidade de sistemas de saúde universais e adaptáveis às necessidades das pessoas. Para que se tenham respostas bem-sucedidas, são necessárias ações efetivas baseadas em evidências científicas, com financiamento, voltadas para os direitos humanos e em diálogo permanente com as comunidades. 

 

Após 40 anos dos primeiros casos de HIV no mundo e mais de 75 milhões de infectados, a ciência trouxe respostas e um arsenal terapêutico, permitindo que as pessoas que vivem com o vírus HIV tenham uma expectativa de vida normal e com qualidade. No entanto, nem todos têm acesso às informações e ao tratamento adequado. Segundo a diretora executiva do UNAIDS, Winnie Byanyima, em sua mensagem pelo Dia Mundial da AIDS, o mundo ao responder ao Covid 19 não pode cometer os mesmos erros que cometeu na luta contra o HIV, quando milhões de pessoas em países em desenvolvimento, morreram à espera de tratamento. Acrescenta ainda que: "somente a solidariedade global e a responsabilidade compartilhada nos ajudarão a vencer o Coronavírus, acabar com a epidemia de aids e garantir o direito à saúde para todos". 

 

Apesar de tantos avanços no enfrentamento ao vírus da Aids e outras ameaças à saúde, estigma e discriminação ainda representam grandes desafios a serem vencidos nesse campo.

Pesquisas a respeito de pessoas vivendo com HIV no Brasil confirmam que, apesar do longo caminho desde o início da epidemia, essa população ainda sofre com o preconceito e a desinformação. Os dados relacionados à discriminação nos serviços de saúde são alarmantes, manifestando-se principalmente através da negação de atendimento, atitudes de desdém, coação para realização de procedimentos ou violação de confidencialidade. 

 

Apesar do progresso dos conhecimentos científicos, as concepções desenvolvidas em torno do HIV/AIDS, principalmente devido às interpretações equivocadas dos dados disponíveis nos primeiros anos da epidemia, acabaram causando sérias limitações e deficiências na abordagem estomatológica desses pacientes. Isso tem gerado dificuldades de acesso ao tratamento odontológico, impactando de forma negativa na abordagem integral desses indivíduos. 

 

As medidas universais de controle de infecção, aperfeiçoadas atualmente com a pandemia de COVID-19, sendo implementadas de forma adequada, tornam praticamente nulo o risco de a equipe odontológica adquirir o vírus HIV durante o atendimento. Por outro lado, a literatura aponta para um grande número de profissionais de Odontologia que se mostram pouco informados sobre a infecção, transmissão e tratamento da AIDS, existindo um certo grau de resistência ao atendimento dos pacientes sabidamente soropositivos para HIV, bem como o uso de precauções adicionais, mesmo que documentada a sua ineficácia. Os dados também sinalizam que muitos estudantes de Odontologia relatam que não tiveram aulas suficientes sobre os temas ligados à HIV-AIDS, e a grande maioria não teve contato direto na clínica com pacientes portadores do vírus HIV, o que pode refletir numa indisposição posterior para o tratamento desses pacientes, além de um alto grau de ansiedade não justificável racionalmente. 

 

Nesse sentido, ao apagar das luzes de 2020, quando ainda não atingimos o objetivo de acabar com a epidemia de Aids e vivemos esse momento de pandemia pelo COVID 19, que expõe vulnerabilidades sociais, repensar nossa atuação enquanto profissionais da área da saúde é de extrema importância. É preciso superar as contradições que permeiam a prática odontológica a respeito da Aids, ancoradas na dualidade entre valores e crenças, histórico e socialmente construídos, e a necessidade de enfrentamento do problema no dia a dia. A responsabilidade compartilhada, encarando de frente o preconceito, é a chave para trilharmos esse caminho e superarmos os desafios de enfrentamento às epidemias de HIV e COVID 19. Salve 1° de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids!

 

(*) Cirurgiã-dentista e professora do curso de Odontologia da UNIFASE

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem
 https://www.unimed.coop.br/web/petropolis