Foto: Graziele Soares



LNCC e da Feevale e Rede Vírus

 

Amostras  coletadas no Sul do Brasil e submetidas em periódico científico

 

Uma semana depois da Organização Mundial da Saúde (OMS) demonstrar preocupação com as novas variantes da Covid-1 9, salientando a necessidade de fazer uma investigação meticulosa sobre possíveis impactos em vacinas, casos de reinfecções e coinfecções, pesquisadores apresentaram resultados de estudos de amostras coletadas no Rio Grande do Sul, onde foi possível a caracterização de cinco linhagens diferentes que estão circulando no estado, sendo uma nova, a princípio denominada VUI-NP13L, e dois casos de coinfecção.Os genomas sequenciados foram depositados em bases internacionais e o estudo submetido a um periódico científico.

 

O trabalho foi realizado pelo Laboratório de Bioinformática - Labinfo, do Laboratório Nacional de Computação Científica – LNCC, Petrópolis-RJ (unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações – MCTI), coordenado por Ana Tereza Vasconcelos, e pelo Laboratório de Microbiologia Molecular da Universidade Feevale (Novo Hamburgo-RS), coordenado pelo professor Fernando Spilki. A iniciativa faz parte da RedeVírus MCTI, da qual participam os dois laboratórios.

 

O material genético foi coletado pelo Laboratório de Microbiologia Molecular da Universidade Feevale, que recebe espécimes clínicos de pacientes de 40 municípios do Rio Grande do Sul. A amostragem, realizada por funcionários de saúde dessas cidades,foi enviada ao Laboratório juntamente com informações dos pacientes, como idade, sexo, sinais clínicos e possível cantata com outros casos suspeitos ou confirmados. Para esses estudos, foram selecionadas 92 amostras de pacientes com faixa etária de 14 a 80 anos de idade, sendo 50% homens e 50% mulheres.

 

Posteriormente, as amostras foram enviadas ao LNCC para a realização do sequenciamento genético e análises de bioinformática. Usando ferramentas desenvolvidas pelo grupo do Labinfo, foi possível a caracterização das cinco linhagens diferentes que estão circulando no Rio Grande do Sul. Entre elas, a nova linhagem, denominada pelos pesquisadores como VUI-NP13L. Também foram identificados dois casos de coinfecção, quando há a presença de duas linhagens de vírus em um mesmo indivíduo.

 

Possibilidade de dispersão do vírus

Os estudos realizados com amostras do Rio Grande do Sul geram preocupação devido à possibilidade de dispersão do vírus para outros Estados e países vizinhos da América do Sul. A Região Metropolitana de Porto Alegre concentra o maior número de casos. Por isso, a análise do genoma ajuda a entender melhor a dinâmica, a estrutura populacional e as cadeias de transmissão locais do vírus. Os pesquisadores também estão conduzindo experimentos in vitro na nova linhagem encontrada no estado, incluindo isolamento viral e investigação sobre neutralização ou anticorpos presentes no soro de pacientes infectados e recuperados.

 

Foi possível ainda confirmar a disseminação generalizada da variante E484K na proteína S, que é a mesma mutação do coronavírus identificada no Rio de Janeiro no mês passado. "Isso é preocupante, pois sabe-se que essa mutação pode estar associada a um escape de anticorpos formados contra outras linhagens do vírus. É mais uma evidência que essas novas linhagens podem causar problemas mesmo em pessoas que já tenham uma imunidade prévia contra o Sars-Cov-2", afirma Fernando Spilki.

 

Outro ponto importante foi a identificação da coinfecção, que é uma infecção simultânea por vírus com genomas distintos em um mesmo indivíduo, e que foi encontrada em dois casos clínicos ocorridos no final de novembro. A coinfecção com a variante E484K não havia sido descrita até o momento.

 

A preocupação é porque a mistura de genomas de diferentes vírus coinfectando o mesmo indivíduo. A chamada recombinação, é um dos fenômenos que está na base da evolução de coronavírus. "Mas, apesar da coinfecção, os dois pacientes tiveram um quadro de Covid-19 de leve a moderado e se recuperaram sem a necessidade de hospitalização", comentam os pesquisadores, lembrando a importância de se estabelecer medidas de distanciamento social para conter a propagação de novas variantes, potencialmente mais transmissíveis.

 

Segundo a coordenadora do Labinfo do LNCC, Ana Tereza Vasconcelos, os dados servem de alertar as autoridades sanitárias que estudos sobre a dispersão do Sars-Cov-2 são extremamente importantes para a segurança de todos. (Fonte: LNCC)

(Edição: 28/01/2021)

 

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem
 https://www.unimed.coop.br/web/petropolis