Foto: Giovani Garcia


Todas as quartas-feiras

Entrada franca mediante comprovante de residência

              

A Casa Petrópolis Instituto de Cultura está de portas abertas às quartas-feiras para receber os moradores de Petrópolis gratuitamente. A visita ao espaço, um imponente imóvel do século XXI, pode ser feita sem a necessidade de agendamento - é só apresentar um comprovante de residência na bilheteria, das 10h às 16h. Por lá, além de vislumbrar a arquitetura marcante de estilo eclético, o visitante também pode conferir a Exposição XXI XX XXI, um verdadeiro mergulho cultural que por meio de telas e esculturas reconta a história da arte. 


A Exposição em cartaz marca a reabertura do casarão histórico ao público, que desde dezembro do ano passado vem se consolidando como um importante ponto turístico para Petrópolis, palco de atividades multiculturais. Além da exposição, o espaço também recebe concertos e tem ampla programação voltada às artes - um cenário de novela, literalmente, que agora está acessível a todos os moradores da cidade. 


“Uma cidade não pode ser turística se sua própria população não puder usufruir de seu patrimônio também. Acreditamos muito nisso e é exatamente por este motivo que temos um dia na semana cujo acesso é liberado aos moradores. Tenho certeza que muita gente já passou aqui na frente e teve curiosidade de saber como era a casa por dentro. Agora isso é possível para todos”, destaca a diretora executiva da Casa, a historiadora, Rachel Wider. 


E não é para menos. As belezas da casa, que fica localizada no número 716 da Avenida Ipiranga, em pleno Centro Histórico, servem de cartão postal para o Brasil e o mundo. Por trás de seus portões, as câmeras da TV Globo, por exemplo, filmaram “Sonho Meu” e “Esplendor”, evidenciando ainda mais a beleza do espaço, outrora conhecida como Casa dos Sete Erros devido a sua assimetria. 


Rachel explica que  o que mais impressiona as pessoas que visitam o local é o grau de detalhes da Casa, o fato de que cada coisa foi escolhida a dedo para estar ali, além de serem originais. “Acreditamos que ao unir as exposições à arquitetura da casa, criamos um propósito ainda mais relevante para este espaço. Intensificar essas atividades, acolhendo bem o visitante e possibilitando o acesso às atividades da cidade ajudam não só na preservação da nossa história, mas na sensação de pertencimento. E isso é importantíssimo para manter Petrópolis viva”, completa. 


(Edição 02/03/2021)



 

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem