Desde março de 2020, temos enfrentado a maior crise sanitária do século, resultado da pandemia de Covid-19, doença infecciosa provocada por um novo coronavírus (SARS-coV-2), que já levou mais de 333 mil vidas no Brasil, sendo mais de 713 em Petrópolis/RJ, até o fechamento desta matéria. Infelizmente, estes números só tendem aumentar se não continuarmos seguindo os protocolos de prevenção, se não acreditarmos na ciência e nas vacinas. Neste sentido, o Centro Universitário Arthur Sá Earp Neto/Faculdade de Medicina de Petrópolis lançará no Dia Mundial da Saúde (07/04) o projeto institucional, denominado Observatório COVID-19, que visa a compreensão e enfrentamento dos impactos da pandemia da Covid-19 em Petrópolis


O lançamento desse projeto será realizado através de uma Live sobre “Covid-19 em Petrópolis: como estamos enfrentando a maior crise sanitária do século XXI”, com transmissão ao vivo pelo YouTube da UNIFASE/FMP (www.youtube.com/UNIFASE), nesta quarta-feira (07/04), às 17h30. A live será conduzida pela professora da UNIFASE Ana Maria Auler, Dra em Saúde Coletiva, com participação de Fabíola Heck, enfermeira da Superintendência de Planejamento e Apoio à Gestão da cidade.

 

Pela ótica dos Determinantes Sociais da Saúde, diversas variáveis merecem destaque ao analisarmos os impactos da pandemia na vida das pessoas, sejam aquelas referentes ao contexto socioeconômico tais como: desemprego, mudanças nas dinâmicas familiares pela interrupção do funcionamento das escolas, bem como aquelas referentes a um componente subjetivo, permeado pela difusão de notícias e informações falsas, medo de contrair a doença, receio de contagiar familiares mais vulneráveis, incerteza diante do cenário desconhecido, entre outros.

 

“O enfrentamento desse cenário requer esforços conjuntos entre empresas e governos, instituições e indivíduos, pesquisadores, profissionais de saúde e toda a sociedade. Esta perspectiva ganha contornos ainda mais expressivos na conjuntura atual, dados os impactos sanitários, sociais e econômicos produzidos pela pandemia de Covid-19, cujo enfrentamento depende diretamente do progresso da ciência e do envolvimento consciente da academia e, em última análise, de toda a sociedade. O observatório vem ao encontro da missão institucional da



UNIFASE/FMP
, que mantém forte vinculação ao sistema público de saúde e participação intensa na atenção à saúde”, explica Abílio Aranha, coordenador de ensino da UNIFASE/FMP.

 

Um dos fios condutores do Observatório é compreender os impactos da pandemia da Covid-19, em Petrópolis, a partir de um olhar da UNIFASE/FMP, na produção de conhecimentos e na assistência às famílias das Unidades de Saúde da Família (Boa Vista, Estrada da Saudade, Nova Cascatinha e Machado Fagundes) geridas pelo Centro Universitário Arthur Sá Earp Neto.

 

“Em consonância com as medidas implementadas pela Prefeitura de Petrópolis para controle da pandemia, estamos realizando um trabalho de notificação e monitoramento das famílias com suspeita de covid, desde março de 2020. Agora pretendemos analisar estes dados epidemiológicos, considerando três dimensões: social, ecológica e clínica. Além de identificar e delimitar a situação inicial e a evolução dos casos nos cenários das nossas Unidades de Saúde da Família (USF’s), quanto aos problemas de saúde relacionados aos efeitos da pandemia de Covid-19. Assim, propondo eleger os problemas prioritários a serem trabalhados pelo município”, comenta Lívia Teixeira, supervisora das USF’s geridas pela UNIFASE/FMP.

 

A criação do observatório é uma maneira de criar sinergia entre iniciativas de ensino, pesquisa e extensão já realizadas e em andamento nos diversos cursos, cenários de práticas, grupos de pesquisas e territórios onde a UNIFASE/FMP atua.

 

“Nos mesmos moldes que iniciativas similares de outras instituições, nossa proposta é construir um espaço virtual que reúna dados e análises, tecnologias e propostas de soluções para enfrentamento da pandemia de Covid-19 na cidade de Petrópolis. A produção de informações científicas seguras é compromisso ético e humanístico da Universidade e o Observatório se coloca, portanto, como um espaço de partilha de conhecimentos que mobilizem ações assertivas no enfrentamento da pandemia”, destaca Ana Maria Rodrigues dos Santos, coordenadora de Pesquisa e Pós-graduação da UNIFASE/FMP.

 

Além disso, o projeto colaborativo reforça a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, um dos aspectos principais avaliados pelo MEC, que qualificam o ensino superior.

 

“Mais do que proporcionar isso à nossa comunidade acadêmica, temos o compromisso de, enquanto instituição de ensino na área da saúde, combater fake news, orientar a população, realizar pesquisas que contribuam para a criação de políticas públicas, que possam nortear as ações do poder público, principalmente, neste momento delicado que estamos vivendo”, salienta Ricardo Tammela, coordenador de Projetos e Extensão da UNIFASE/FMP.

 

O Observatório COVID-19 disponibilizará no site da instituição (www.unifase-rj.edu.br) uma plataforma digital com textos informativos, vídeos, podcasts, banners e materiais educativos, além de divulgar iniciativas e ações desenvolvidas no âmbito da UNIFASE/FMP e parceiros relativas aos impactos da pandemia na cidade.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem