Gisele Oliveira - Especial Petrópolis em Cena 


Como já dizia o saudoso poeta Carlos Drummond de Andrade “Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento”. Há mãe que gera o filho no ventre e há mãe que gera no coração, pois a gestação verdadeira acontece na intensidade em que gera o amor, o cuidado, a atenção e a doação da própria vida em prol dos seres que são amados: os filhos.

 

Neste Dia das Mães, uma história de vida que foge aos padrões do que vemos sendo exaltado na mídia. Uma mulher, natural de Fortaleza, que teve a sua trajetória marcada pelo cuidado e a dedicação ao próximo. Nilma Aguiar é uma daquelas pessoas que, desde muito cedo, precisou ser o arrimo de sua família.

 

“Não tenho filhos de sangue. Perdi meu pai aos 8 anos de idade. Éramos cinco irmãos, minha mãe ficou viúva com apenas 33 anos, pois meu pai faleceu aos 39 anos. Então, como eu era uma das filhas mais velhas, precisei ajudar minha mãe a cuidar dos mais novos. Com 16 anos, comecei a trabalhar fora para ajudar nas despesas da casa, inconscientemente, minha mãe me colocou no lugar do meu pai. Ela tinha crises de asma e, acredito eu, também depressão, mas naquele tempo não tinha este diagnóstico. Todos os meus irmãos se casaram, mas eu não tinha coragem de sair de casa e deixá-la. Me dediquei aos estudos, cheguei a fazer faculdade de Contabilidade, logo depois comprei um fusquinha, pois lá em Fortaleza a faculdade era longe de casa. Enfim, me tornei muito independente, até que fui transferida no trabalho, me enviaram para o Rio de Janeiro, onde ficava a Matriz da empresa e trouxe a minha família para o Rio”, explica Nilma Aguiar.

 

O que ela não imaginava é que se tornaria mãe não apenas de uma criança, mas de dezenas delas. Dessa vez, o seu coração começaria a gerar o desejo de se dedicar única e exclusivamente ao cuidado de crianças muito especiais.

 

“Através do movimento da Renovação Carismática Católica, eu tive meu encontro pessoal com Cristo, o que mudou toda a minha vida. Cheguei à conclusão de que a gente só é feliz quando faz o outro feliz, mas só saí de casa quando minha mãe faleceu. Eu percebi que a minha missão com ela tinha acabado, então me entreguei totalmente aos trabalhos da igreja. Eu continuei trabalhando na empresa até me aposentar. Quando fiquei mais livre e passei a me dedicar integralmente aos projetos da igreja, conheci a Comunidade Católica Jesus Menino”, destaca.


A sede da Comunidade Católica Jesus Menino, localizada no Vale do Carangola, é uma obra sublime. O carisma vivido pelos membros é o de viver em pequenos lares com crianças especiais abandonadas, dando-lhes uma verdadeira Família. E foi assim, que a Nilma ganhou muitos filhos em Petrópolis. Há 17 anos, se tornou mãe de coração e vive de forma plena a missão de ser guardiã, protetora e porto seguro dos seus filhos.



“Eu morava na zona Oeste do Rio de Janeiro e participava de alguns movimentos da igreja. Na época, conheci um voluntário da comunidade e ele começou a me contar sobre o carisma vivido em família. Então, decidi vir conhecer e, desde então, senti o chamado de Deus para servir aqui. Cheguei no mês de julho, no dia de Nossa Senhora do Carmo. Responsável pela casa dos pequeninos, sou muito feliz por dedicar minha vida a eles, sendo de fato a mãe deles. Por algum motivo, eles perderam seus pais biológicos, mas aqui essas crianças têm a mãe deles sempre presente”, declara Nilma.

 

Para a Comunidade Católica Jesus Menino, acolhimento é muito mais do que dar comida, um lugar ao sol e roupas limpas, mas acima de tudo resgatar a dignidade de pessoa humana, formando uma família com quem não tem ninguém para cuidar e amar. Isto é tão forte e verdadeiro, que muitas pessoas em momentos de dor e dificuldades procuram a Comunidade para que também possam usufruir desse acolhimento, nem que seja por alguns instantes. Daí, vem todo o sentido da frase que resume a comemoração dos aniversários da Obra. “Comunidade Jesus Menino, sempre Gerando Vidas”.

 

Atualmente, a Comunidade tem 43 filhos e conta com a ajuda de 700 voluntários pelo mundo, 10 membros leigos consagrados e 22 casais aliançados. Além de 23 pessoas comprometidas com a consagração total e 24 em discernimento no Brasil, 10 em Portugal, 25 pessoas comprometidas na Itália e 20 pessoas comprometidas nos Estados Unidos. Caso queira conhecer um pouco mais sobre essa família, acesse: www.comunidadejesusmenino.org.br.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem