Uma equipe de restauradores fez uma vistoria técnica no chafariz da Praça Visconde de Mauá nesta quarta-feira (05/05). O serviço, realizado de forma voluntária, vai nortear a elaboração de um termo de referência para a contratação dos profissionais que irão realizar o trabalho de reforma. Em abril, uma equipe da Companhia de Desenvolvimento de Petrópolis (Comdep) verificou problemas na estrutura do monumento.  Por ser bem tombado pelo patrimônio histórico, a ação deverá ser orientada pelos órgãos de preservação.

 

"A partir de agora, será necessário fazer o mapeamento de danos e a prospecção", explica o arquiteto Mário Lordeiro, que esteve acompanhado da restauradora Luciana Lopes. "Também será preciso detalhar o processo recuperativo do chafariz. O mais importante disso é o interesse do poder público em resolver essa questão, isso a gente precisa ressaltar", disse Luciana.

 

A vistoria foi acompanhada pelo diretor-presidente do Instituto Municipal de Cultura, Leandro Kronemberger. Ele conta que existe uma preocupação do governo municipal em restaurar o monumento o quanto antes. "Esse é um serviço que exige  mão-de-obra especializada. Precisamos ouvir os técnicos para saber de como agir para recuperar o chafariz o quanto antes", disse.

 

Como parte integrante do conjunto arquitetônico do Palácio Hermogêneo Silva, mais conhecido como “Palácio Amarelo”, sede da Câmara Municipal de Petrópolis, o chafariz da Praça da Águia é tombado pelo Iphan e também pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac).

 

Foi idealizado em 1899 pelo artista Heitor Levy, e representa a luta entre dois animais (a cobra e a águia), cujo significado é controvertido. Em 1944, o projeto da praça (que rende muitas fotos aos turistas que visitam Petrópolis) foi alterado pelo renomado paisagista Burle Marx.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem