Hospital Unimed Petrópolis


Atenção!

  

Uma mensagem que diz respeito a variante delta do novo coronavírus e que possui a assinatura do Grupo Unimed vem circulando na rede WhatsApp, sendo compartilhada, sobretudo, entre a população petropolitana. No entanto, a Unimed Petrópolis, bem como as outras cooperativas e empresas do Sistema Unimed não são responsáveis pelo conteúdo. Vale ressaltar que a Unimed repudia o uso indevido da marca para propagar informações não verificadas que podem impactar a saúde das pessoas.

 

Cabe reforçar que o Sistema Unimed, como líder do mercado de saúde suplementar no Brasil, com mais de 18 milhões de clientes, somente se pronuncia por intermédio dos canais oficiais de comunicação, promovendo o acesso a informações seguras e confiáveis. Neste momento, divulgamos em nossas rede sociais o “Movimento Livre de Mentiras”, uma campanha de alerta e combate às fake news.


Como parte do nosso compromisso social no enfretamento da pandemia de Covid-19, a Unimed do Brasil buscou a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), para trazer informações confiáveis e de utilidade pública, que desmentem boa parte do teor da referida mensagem.


De acordo com o infectologista Alexandre Naime, consultor da SBI, a variante delta tem como principal característica a sua alta transmissibilidade. Em relação à cepa original do vírus, a variante é 97% mais transmissível, conforme estudo do King's College London.


Foi justamente esse estudo, segundo o infectologista, que levou a uma onda de desinformação nas últimas semanas, sobretudo nas redes sociais. “De acordo com essa pesquisa, publicada há um mês, os sintomas de quem tem a variante delta são mais tênues, com menos ocorrência de tosse e dor no corpo. Em pacientes mais jovens, os sintomas se assemelham a um resfriado, com menos perda de olfato e paladar”, explicou.


O consultor da SBI destaca, ainda, que o aumento da transmissibilidade do vírus é esperado, dada a sua evolução natural, o que torna fundamental a vacinação da população o mais rápido possível, de modo a frear a transmissão viral, e a manutenção das medidas já conhecidas de prevenção (usar máscara, higienizar frequentemente as mãos com água e sabão ou álcool gel, evitar aglomerações).


“Não há estudos que demonstrem que a variante delta seja mais patogênica ou mortal, ou que afete diretamente os pulmões. Isto não é verdade. Sabe-se que é mais fácil de transmitir. Embora sua ocorrência já tenha sido registrada no Brasil, também não é a variante que predomina no país – esta é a variante gama”, acrescenta Naime.

 

Por fim, cabe reforçar que toda e qualquer informação da Unimed Petrópolis é divulgada em seus canais oficiais:  InstagramFacebook e LinkedIn.

 

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem