Hospital é o primeiro da rede pública de Petrópolis a receber o serviço

 

Com o objetivo de evitar a desnutrição, fraqueza muscular e infecção hospitalar dos pacientes, a Prefeitura de Petrópolis implementou no Hospital Municipal Nelson de Sá Earp (HMNSE), o serviço de suporte nutricional com equipe multidisciplinar. O acompanhamento consiste no planejamento alimentar individualizado para cada paciente internado no hospital. Além de nutricionistas, o grupo de trabalho inclui médico, farmacêutico, fonoaudiólogo e enfermeiro especialistas na área.

 

Um levantamento da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (Braspen) apontou que quatro a cada dez pacientes internados em hospitais públicos no Brasil estão desnutridos. Mesmo com os avanços da terapia nutricional e metabólica nas últimas décadas, a desnutrição continua sendo comum em pacientes hospitalizados, variando entre 30% e 65% nos diferentes estudos, podendo estar presente no momento da entrada no hospital ou no decorrer da internação.

 

A médica nutróloga, Lara Miloski, é a coordenadora da equipe no HMNSE. Ela explica como é o trabalho e os benefícios do acompanhamento: “A presença da equipe no hospital reduz a chance do paciente vir a óbito. Permite uma melhor avaliação, proporcionando uma alimentação adequada com nutrientes específicos (carboidratos, proteínas, lipídios, vitaminas e oligoelementos). Além disso, também permite a diminuição de custos, tempo de internação e reinternações, dias de uso de antibióticos e a possibilidade do paciente contrair uma infecção hospitalar. São vários os benefícios, além de permitir maior rotatividade dos leitos”.

 

Na última terça-feira (31) foi comemorado o Dia do Nutricionista. O secretário de Saúde, Aloisio Barbosa, ressalta a importância do profissional dentro do hospital: “Pacientes com infecções graves, traumatismos ou em pós-operatório de grandes cirurgias são particularmente vulneráveis a desenvolver desnutrição. O nutricionista é fundamental para reversão desse quadro, fortalecendo o sistema imunológico do paciente através da alimentação”. Ele lembra ainda que o trabalho foi iniciado no mês de janeiro: “Começamos a montagem da equipe no início do ano e fomos adaptando o trabalho até a evolução que apresentamos hoje. A chegada da doutora Lara foi essencial nesse processo também”.

 

A doutora Lara também conta como a nutrição auxilia no tratamento de pacientes internados com Covid-19: “O tratamento de primeira escolha, caso o paciente tenha condições é pela via oral. Ele é feito para o paciente que não está entubado. Pelo procedimento, ele consegue ter o nutriente necessário para ajudar o sistema imunológico a combater o vírus no corpo. Temos relatos de pacientes que dizem se não fosse o suplemento, não sabem o que teria acontecido, já que não conseguiam se alimentar e nem tinham vontade de comer”, disse ela, lembrando que se os pacientes são incapazes de realizar a nutrição pela via oral, são utilizadas a nutrição enteral e parenteral.

 

A Terapia Nutricional Oral (TNO) pode reduzir em até 37% o risco de morte entre os doentes. Ela é composta por suplementações que podem ser líquidas prontas para beber, pastas ou em pó que podem ser preparados como bebidas ou adicionados a bebidas e alimentos, indicadas aos pacientes que estão com necessidades nutricionais.  Na dieta enteral, o paciente ingere alimentos por meio de uma sonda que pode ser um tubo ou uma sonda flexível. Já a dieta parenteral é inserida na pessoa por via endovenosa, ou seja, diretamente pela veia.

 

“Estamos acompanhando a evolução do trabalho de forma muito positiva no Nelson de Sá Earp e temos a intenção de implementá-lo no Hospital Alcides Carneiro (HAC). Parabenizo toda a equipe”, disse o prefeito interino, Hingo Hammes, lembrando que o trabalho auxilia na educação continuada, com a participação na formação dos residentes e internos, estudantes de medicina, nutrição e enfermagem.

 

Reforma da cozinha e refeitório do HMNSE

 

O prefeito Hingo Hammes entregou em julho a reforma na cozinha e refeitório do Hospital Municipal Nelson de Sá Earp. O espaço, onde por mês são preparadas 8.400 refeições, não recebia melhorias significativas há mais de 10 anos. De acordo com o diretor médico do HMNSE, Marco Liserre, as obras fazem parte do projeto de melhoria da alimentação dos pacientes.

 

“A obra permitiu que todo espaço fosse revitalizado, o que melhorou muito na qualidade da alimentação que oferecemos no hospital. Por dia, são preparadas 250 refeições servidas no almoço e 80 no jantar. Nos fins de semana são preparados 150 almoços e 80 jantares por dia”, disse Marco, lembrando que quinzenalmente a equipe de suporte nutricional se reúne para debate e acompanhamento do trabalho.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem