Nas últimas décadas, os especialistas observaram uma considerável mudança nos padrões da epidemiologia da alergia alimentar (AA), com aumento da prevalência, gravidade das manifestações clínicas e risco de persistência até idades mais avançadas. De acordo com os dados epidemiológicos, a análise de tendência temporal mostrou um aumento de sete vezes nas internações por reações alérgicas graves em crianças do Reino Unido, EUA, Itália e Austrália, apenas nos últimos 10 anos. Mais de 170 alimentos foram identificados como desencadeadores da AA, entre eles: nozes, ovos, amendoim, peixe, marisco, leite, trigo, soja e sementes, com variações nacionais e geográficas referentes à Alergia Alimentar mais comum. 

 

Neste cenário que demanda por atendimentos específicos, é cada vez mais necessário ter profissionais especialistas no mercado de trabalho, que saibam identificar e propor o melhor tratamento para as pessoas que sofrem com algum tipo de alergia ou intolerância alimentar.

  

“Novas tecnologias e ferramentas experimentais forneceram informações sobre a importância de bactérias selecionadas nos mecanismos de tolerância imunológica. Os ácidos graxos de cadeia curta são produtos metabólicos cruciais da microbiota intestinal, responsáveis ​​por muitos efeitos protetores contra a alergia alimentar. Estes compostos estão envolvidos na regulação epigenética do sistema imunológico. Essas evidências fornecem uma base para o desenvolvimento de estratégias inovadoras para prevenir e tratar alergias alimentares. Como o tema apresenta muitas novidades, é importante que o profissional nutricionista busque cursos de atualização para suprir às necessidades da crescente demanda do atendimento clínico nutricional”, explica Cíntia Ramos Azara, coordenadora da Pós-Graduação Lato Sensu em Alergia e Intolerâncias Alimentares da UNIFASE. 

 

Dentro deste contexto de carência por especialistas na área de Alergia e Intolerâncias Alimentares, o Centro Universitário Arthur Sá Earp Neto (UNIFASE) abriu as inscrições para a nova turma do curso de pós-graduação 100% a distância, que terá início agora em outubro, na plataforma de ensino da instituição. A especialização em Alergia e Intolerâncias Alimentares tem o objetivo de desenvolver as competências necessárias para a identificação e atuação no cuidado nutricional dos pacientes com alergias e intolerâncias alimentares, capacitando os nutricionistas para que possam atuar de forma mais efetiva na clínica nutricional. 

 

“O curso promove a discussão sobre questões relacionadas às alergias e intolerâncias alimentares, planejamento dietético e desenvolvimento de receitas e novos produtos voltados ao público com essas necessidades. Profissionais titulados e com experiência prática fazem a diferença na qualidade do curso. O módulo de planejamento dietético permite a aplicação prática do conhecimento adquirido, aliando ainda o desenvolvimento de novos produtos para o público em questão. O fato de ser disponibilizado a distância é outro diferencial, que permite a participação no curso em horário de melhor conveniência para o aluno, sem perder a qualidade”, salienta Cíntia Ramos Azara.

  

Nas aulas da especialização são utilizadas ferramentas digitais, como conteúdo 3D interativo e narrado, gamefication (jogos interativos), mural interativo, podcasts, infográficos animados, fóruns de discussão etc. Outras informações e as inscrições estão disponíveis no site: www.unifase-rj.edu.br

 

“Os cursos de graduação em Nutrição não dispõem de disciplina específica sobre Alergia e Intolerâncias Alimentares. O módulo IV dessa especialização da UNIFASE é voltado especificamente para a prescrição de dieta (planejamento dietético); elaboração de receitas e produtos. Além disso, os alunos serão acompanhados o tempo todo pelos professores, com feedback de todas as atividades”, finaliza a coordenadora.

Post a Comment

Gostou da matéria? Deixe seu comentário ou sugestão.

Postagem Anterior Próxima Postagem