Jovens assistidos durante o isolamento

Orquestra do Palácio Itaboraí oferece orientações online


Apesar das limitações do isolamento social por conta da Covid-19, os jovens instrumentistas da Orquestrade Câmara do Palácio Itaboraí - OCPIT seguem tendo aulas de música, adaptadas, porém, às condições da quarentena. Com os instrumentos em casa, os estudantes têm recebido orientações online dos professores e mantêm seus estudos individuais, de teoria e prática instrumental. Estão impedidos apenas da prática orquestral, porque esta requer a coletividade. As dificuldades são inevitáveis, desde as limitações de acesso à internet para alguns ao desafio de praticarem sozinhos em casa, em um ambiente diferente das salas do Palácio Itaboraí, em Petrópolis, onde eles costumam estar juntos de duas a cinco vezes por semana. Mas, desta experiência, os estudantes têm tirado novas perspectivas e a oportunidade, em muitos casos, de ter a família mais envolvida com a música clássica que eles praticam.

Segundo o maestro e coordenador da OCPIT, Celso Franzen Jr., estes encontros online não podem ser comparados e não substituem as aulas presenciais, mas são fundamentais para que os jovens músicos possam se manter estimulados e não fiquem totalmente distantes da prática habitual do instrumento. “Se eles param, perdem o que chamamos de coordenação fina. Embora alguns até reconheçam estarem evoluindo, nosso objetivo principal é mantê-los motivados e que não percam o que já adquiriram até agora. A música é uma prática que exige dedicação continuada. Se eles estiverem em dia com o trabalho individual, será muito mais fácil retomarmos com o coletivo, com nossa Orquestra, quando voltarmos”, explica Celso, acrescentando que há estudantes em diferentes níveis e todos estão sendo acompanhados, inclusive pela assistente social da OCPIT.

Como já fazia parte da rotina, os estudantes seguem tendo um tempo semanal diretamente com os professores, tanto para práticas individuais com seus instrumentos quanto para conteúdos de teoria musical; a novidade é que, durante este período de isolamento social, as aulas têm se sido adaptadas, já que vêm se utilizando dos meios tecnológicos para acontecerem.

Jaqueline Rosa Moreira é professora de violino da OCPIT e tem feito vídeo-chamadas individuais com seus alunos pelo aplicativo multiplataforma whatsapp, além de gravar e recomendar vídeos com conteúdos complementares. Ela também passa tarefas e recebe deles vídeos com a execução dos trabalhos solicitados. No encontro seguinte, ela dá retornos com sua avaliação. “Tem funcionado bem para a maioria, principalmente para os alunos mais velhos, que já dominam mais o instrumento. De forma geral, eu os percebo engajados e contentes em fazer as atividades propostas, até porque estão cansados de ficar em casa e assim têm uma ocupação, uma vez que as aulas das escolas municipais em que estudam ainda não voltaram, nem de forma virtual” conta Jaqueline. Além das orientações técnicas, propriamente, a professora tem marcado encontros virtuais coletivos com seus alunos, para apoiá-los emocionalmente e ver como estão passando: “É quando reunimos o grupo todo, pelo menos todos aqueles que tocam violino comigo, para buscarmos manter o vínculo e trocarmos ideias. Falo por mim e por eles também: estamos todos aprendendo a dar valor ao que temos!”, destaca Jaqueline.

“O que eu mais sinto falta são os encontros orquestrais. São mais de quatro anos indo pra lá quase todos os dias. É como se eu não estivesse encontrando parte da minha família. A saudade é a mesma. Sinto falta da Orquestra, dos ensaios, das pessoas”, conta Isabella Mariosa, 19 anos, que toca flauta transversal e é uma das veteranas da atual composição da OCPIT. Apesar da distância e da saudade, a jovem agradece a possibilidade de seguir tendo aulas de música online: “Eu achei ótimo ter continuado, para não perder o foco e o ritmo. Se pararmos, o nosso corpo esquece e a cabeça enlouquece um pouco. E ter o professor, as tarefas, isso não nos deixa relaxar e faz com que pratiquemos. Além disso, a música é meu refúgio. E, neste período de isolamento, é onde consigo ter o meu espaço e meu tempo”, conclui Isabella, que está se preparando para este ano fazer o Teste de Habilidade Específica – o THE, exame requerido para ingressar na faculdade de música, onde ela pretende cursar bacharelado em flauta.

Para alguns alunos, o acesso à internet tem sido o principal limitante, às vezes até impeditivo para participar destes encontros de orientação musical online. Para outros, o desafio está mesmo em se adaptar a um aprendizado sem a presença dos professores, como é o caso do Ricardo Corvello, de 17 anos, que toca contrabaixo acústico, estuda no Colégio Estadual Dom Pedro II e está há quatro anos na OCPIT. “No início foi difícil e eu até pensei em desistir dessa ideia de aula online. Minha internet não é muito boa, mas isso até vou contornando. O problema maior foi conseguir me acostumar sem o Luiz Felipe, porque com ele por perto eu fico mais seguro de tocar as coisas certas. Mas ele começou bem devagar e eu fui me adaptando. Não achei que as aulas dariam certo, mas depois de um mês, tanto eu quanto ele nos esforçando, posso dizer que hoje está sendo bom. Estamos abordando conteúdo praticamente como se eu estivesse tendo aula presencial. E agora já ganhei mais velocidade nos exercícios, consigo executar mais rápido e tenho praticado até mais, pelo menos duas horas por dia, até porque estou com o meu instrumento por perto”, comemora o jovem instrumentista, contente por estar com o contrabaixo em casa, pois, pelo tamanho, não conseguia transportá-lo com frequência, usando-o preferencialmente nos dias em que ia ao Palácio Itaboraí. Apesar das dificuldades iniciais, Ricardo mostra mesmo que contornou os problemas e vem transformando sua jornada nesta quarentena: “Eu acho que isso tudo vai me ajudar a aprender de outras formas no futuro, como vendo um vídeo, acessando outros conteúdos. Ter nossos professores, claro, mas saber também aprender sozinho, ser mais autodidata. Esse momento vai ficar gravado como uma experiência positiva de estudo à distância”, conclui.

Na casa da juveníssima Ludmila de Andrade, as notas que ressoam da sua flauta transversal envolvem e acalantam toda a família durante o isolamento social. Com 12 anos, Ludmila ingressou na OCPIT no início de 2020, já com experiência anterior de tocar flauta doce. Estudante do Liceu Municipal, Ludmila tem seguido com afinco os encontros online semanais, tanto os específicos de seu instrumento, quanto os de teoria musical. “Como não é um vídeo gravado, estamos presentes ao mesmo tempo eu e o professor, ele tem conseguido me mostrar onde estou errando e o que eu posso corrigir. Não conseguiria fazer isso sozinha. Então, com ele, mesmo online, estamos conseguindo avançar. Mas por estar distante, eu tenho que treinar o dobro para acertar a cromática”, conta a menina Ludmila, explicando que “cromática” é a escala sonora do instrumento e que a qualidade do som executado tem a ver com a posição correta da embocadura, ou seja, de como se sopra a flauta.

O pai e a mãe de Ludmila gostam de acompanhar a prática da filha em casa e contam que a jovem instrumentista toca diariamente, pelo menos uma hora por dia, na parte da tarde. “Pra nós é agradável. Gostamos de música e sempre a incentivamos, pois sabemos dos benefícios e ela também começou a tomar gosto pela música. A aula está sendo excelente. É como uma escada, você sobe degrau por degrau. Ela aprende e pratica. E por isso avança”, explica o industriário Paulo Roberto de Andrade. “Estamos mais próximos da experiência dela de aprender música, porque estamos todos em casa neste período. Tê-la praticando ajuda toda a família, porque a música traz alento nesse momento difícil. A música toca o coração das pessoas”, complementa, emocionado, o pai.

Leia também:








Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem
 https://www.unimed.coop.br/web/petropolis